Liberdade Religiosa Em Foco Global Como Minorias Cada Vez Mais Planejadas

Especialistas em direitos humanos em volta do mundo estão pedindo aos governos que intervenham onde as convicções religiosas de grupos minoritários em seus países estão sendo abusados, ou seja, tratados sem desrespeito.

O Centro de Estudos sobre Novas Religiões, com sede na Itália, e os Direitos Humanos Sem Fronteiras, com sede na Bélgica, realizaram um seminário para chamar a atenção para o que dizem ter se tornado uma preocupação mundial.

O seminário, realizado em Seul, Coreia do Sul, e intitulado Intolerância e Discriminação Contra Novos Movimentos Religiosos: um problema internacional, fez referência a exemplos específicos de nações que não conseguiram proteger os cidadãos e mostrar urgência em lidar com o problema de conversões forçadas ou “desprogramação”.

Grupos minoritários são muitas vezes alvo de conversões forçadas, onde os indivíduos são violentamente coagidos a abandonar sua fé e adoptar visões religiosas dominantes. Em muitos casos, o sequestro e detenção de pessoas de grupos religiosos rotulados como “ceitas” são usados como ferramentas de perseguição por seus oponentes.

Na Coreia do Sul, o fenômeno é particularmente preocupante, mas a prática não é isolada para esta nação, com os países da África Austral também experimentando violência e exploração em movimentos religiosos.

“Os deprogramadores coreanos são pastores especializados das principais igrejas, a maioria dos presbiterianos”, disse Massimo Introvigne, diretor administrativo do Centro de Estudos sobre Novas Religiões e sociólogo italiano.

“Os protestos que comemoram as vítimas da conversão forçada foram mencionados no Relatório do Departamento de Estado dos EUA sobre Liberdade Religiosa de 2019, incluindo violações da liberdade religiosa no ano de 2018”, disse ele. “No entanto, houve novos casos de desprogramação, mesmo após suas mortes.”

Willy Fautré, fundador e diretor de Direitos Humanos Sem Fronteiras, disse que uma estratégia multidimensional era necessária para resolver o problema, começando com a liderança da Igreja Presbiteriana, que tolera e apoia a prática, assumindo a responsabilidade. ele também pediu o desenvolvimento da advocacia nas Nações Unidas para garantir que a liberdade de religião seja protegida e os criminosos de desprogramação violenta sejam processados.

Em uma carta aberta ao presidente Sul-Coreano Moon Jae In, assinada por 15 organizações não governamentais internacionais em Julho, a nação foi rotulada como potencialmente sendo ” o último país democrático do mundo onde a desprogramação ainda é tolerada”. Também pediu ao presidente para investigar alegações de desprogramação forçada.

A Coreia do Sul, que foi eleita para cumprir seu quinto mandato no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas em Outubro, foi instada por mais de 80 participantes do seminário a responder à questão da conversão forçada com urgência.

Confira mais fotos clicando AQUI.

Loading...

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *