O Presidente Nyusi Fez Uma Grande Intervenção Na Despedida Do Seu “Irmão” Dhlakama

Grande intervenção do Presidente Filipe Jacinto Nyusi!

O presidente fez um discurso digno de um chefe de estado, um discurso fúnebre na qualidade de presidente de todos os Moçambicanos, um discurso de Estado, um discurso de abertura e reconciliação da família Moçambicana.

O Presidente da República, presente no velório de Afonso Dhlakama, no largo dos CFM, na Beira, prometeu, esta tarde, tudo fazer para dar continuidade às negociações iniciadas com o líder histórico da Renamo. Segundo Filipe Nyusi, a busca da paz e da consolidação da democracia são prioridades e o fecho do respectivo dossier será sempre algo colectivo, uma obra pela qual Afonso Dhlakama contribuiu até o fim da sua vida.

Com o alcance dos consensos em negociação, o Presidente da República espera que Moçambique torne-se uma nação sem ódio.

Nesta tarde, Nyusi disse que a voz de Dhlakama ainda ecoa aos seus ouvidos, pedindo que a paz não falhe. Com efeito, o Presidente da República garantiu continuar o processo da pacificação do país com a nova direcção da Renamo, para aproximar os moçambicanos. E revelou: “Mantive um diálogo próximo e intenso com Afonso Dhlakama. Durante as conversações, tivemos momentos de confrontos de ideias, pressão e discórdia, porque sabíamos que estava em causa a vida de milhões de moçambicanos”. Nisso, disse, Nyusi, ambos aprenderam a respeitarem-se como irmãos que partilham mesmo destino: Moçambique. “Ficará na memória de todos nós o seu percurso”.

Da Renamo, Nyusi espera que se honre Afonso Dhlakama com palavras e actos, que se envolva no percurso para a paz e que se reergue da dor da perda.

Antes de terminar, o Presidente da República considerou que o campeão do diálogo político deve ser o país. E porque Moçambique perdeu muitos filhos, Nyusi entende que o diálogo iniciado com Afonso Dhlakama é uma homenagem a todos aqueles que morreram vítimas de intolerância.

Nyusi agradeceu aos presidentes da África do Sul, Cyril Ramaphosa, e do Zimbabwe, Emerson Mnangagwa, por ambos terem acedido ao pedido de ajudar a transportar Afonso Dhlakama para a terra do rand caso fosse necessário.

Importa referir que Filipe Nyusi adiou uma visita de estado ao estrangeiro e mandou cobrir a urna do seu principal opositor com a bandeira nacional e uma guarda militar de honra.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *