Depois de construir uma nova sede da UA, a China espia na instalação de Addis Abeba
Internacional POlÉMICA

Depois de construir uma nova sede da UA, a China espia na instalação de Addis Abeba

Em 2012, o governo chinês “graciosamente ofereceu” aos Estados africanos um presente e construiu a sede da União Africana em Addis Abeba. O ato de diplomacia suave provou ser uma manobra bastante egoísta para espionar as atividades e discussões conduzidas por líderes do grupo continental exclusivo.

Em Adis Abeba, ministros e chefes de estados se reúnem duas vezes por ano para discutir grandes questões continentais. Embora medidas de segurança rígidas dêem a impressão de que esse edifício foi monitorado e protegido de perto, uma ameaça de segurança não visada estava presente entre 2012 e 2017. A ameaça era de ninguém menos que aqueles que construíram a sede: os chineses. Uma investigação conduzida por “Le Monde Afrique” expôs esforços de espionagem chineses.

De acordo com o relatório, durante cinco anos, entre a meia-noite e as 2 da manhã, os servidores de computador atingiram um pico na atividade de transferência de dados. Um cientista da computação percebeu a estranheza da situação. A equipe técnica da organização descobriu mais tarde que os servidores da UA estavam todos conectados a servidores localizados em Xangai.

Todas as noites, os segredos da UA estavam sendo armazenados a mais de 8 mil quilômetros de distância pelo que se pensava ser um aliado diplomático da África.

“Presente da China para amigos da África”

O complexo de torre de vidro de US $ 200 milhões foi dotado da União Africana em 2012. Os sistemas informáticos foram totalmente equipados pelos chineses, permitindo-lhes abrir um portal indocumentado que dê aos administradores chineses acesso ao sistema informático da UA. Este “backdoor” é uma falha intencional colocada no código para permitir que hackers e agências de inteligência obtenham acesso ilícito à informação.

“Após esta descoberta, tomamos algumas medidas para fortalecer nossa segurança cibernética”, disse um funcionário da UA ao Le Monde.

Mas pelo menos, “Os chineses não têm nada para ouvir. Eles nunca nos colonizaram. Eles apoiaram as lutas da independência no continente e nos ajudam economicamente hoje “, disse um funcionário da UA ao Le Monde anonimamente.

Outro oficial acredita que “eles não estão sozinhos”. Na verdade, a Agência Nacional de Segurança dos EUA (NSA) e as agências de inteligência britânicas (GCHQ) tiveram sua parte da vigilância no prédio da UA, de acordo com documentos extraídos por Le Monde, em colaboração com The Intercept.

Depois que o esforço chinês foi exposto, a UA adquiriu seus próprios servidores e declinou a oferta da China para configurá-los. A AU criptografa todas as comunicações eletrônicas e, a partir de agora, os funcionários mais altos da instituição possuem linhas telefônicas estrangeiras e aplicativos de comunicação mais seguros.

Eles também tomaram medidas de segurança mais rigorosas: especialistas em segurança cibernética examinaram os quartos do prédio e descartaram microfones colocados sob as mesas e nas paredes pelos trabalhadores chineses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *