China Nega Espionagem na sede da União Africana em Addis Abeba

Após uma investigação que expôs a espionagem chinesa na sede da União Africana (UA) na capital etíope, Addis Abeba, o embaixador da China na UA, Kuang Weili, chamou o relatório de “sensacional” e “absurdo”.

A investigação, que foi realizada pelo jornal francês “Le Monde Afrique”, afirmou que nos últimos cinco anos, os servidores da UA estavam todos conectados a outros localizados em Xangai. A equipe técnica da organização descobriu mais tarde que, entre a meia-noite e as 2 da manhã, os servidores de computadores atingiam um pico na atividade de transferência de dados.

Todas as noites, os segredos da UA estavam sendo armazenados a mais de 8 mil quilômetros de distância pelo que se pensava ser um aliado diplomático da África.

O embaixador da China na UA, disse durante a 30ª cimeira da União Africana que atualmente ocorre em Adis Abeba, que o relatório é uma “história sensacional, mas também completamente falsa e absurda”

Segundo o diplomata chinês, o referido artigo “prejudicará a imagem do jornal”, mas não a relação entre a China e a África.

Ele também questionou o momento do relatório, uma vez que foi lançado um dia antes de os líderes africanos lançarem sua cúpula anual na sede da UA.

O complexo de US $ 200 milhões foi construído pela China e doado para a União Africana em 2012. De acordo com Le Monde Afrique, os sistemas informáticos foram totalmente equipados pelos chineses, permitindo-lhes abrir um portal indocumentado que dê aos administradores chineses acesso ao sistema informático da UA. Este “backdoor” é uma falha intencional colocada no código para permitir que hackers e agências de inteligência obtenham acesso ilícito à informação.

“Após esta descoberta, tomamos algumas medidas para fortalecer nossa segurança cibernética”, disse um funcionário da UA ao Le Monde.

Outro oficial acredita que “eles não estão sozinhos”. Na verdade, a Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA) e as agências de inteligência britânicas (GCHQ) tiveram sua parte da vigilância no prédio da UA, de acordo com documentos reunidos por Le Monde, em colaboração com The Intercept.

Depois que o esquema alegado chinês foi exposto, a UA adquiriu seus próprios servidores e declinou a oferta da China para configurá-los. A AU criptografa todas as comunicações eletrônicas e, a partir de agora, os funcionários mais altos da instituição possuem linhas telefônicas estrangeiras e aplicativos de comunicação mais seguros.

Eles também tomaram medidas de segurança mais rigorosas: especialistas em segurança cibernética examinaram os quartos do prédio e descartaram microfones colocados sob as mesas e nas paredes pelos trabalhadores chineses.

MWN

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *