Novo Ataque De Grupo Armado Provoca 4 Mortos Em Cabo Delgado

Um novo ataque de um grupo armado provocou quatro mortos e deixou uma pessoa ferida comgravidade, na noite de sábado, numa aldeia remota de Cabo Delgado, província do norte de Moçambique.

O ataque aconteceu na aldeia de Macanga, 20 quilómetros a oeste da vila de Palma, sede do distrito com o mesmo nome, disseram fontes locais à Lusa. O grupo incendiou cinco casas da aldeia, acrescentaram.

O último ataque tinha acontecido em 22 de junho em Manganja, uma aldeia 15 quilómetros a sudeste de Palma.

Só na mais recente vaga de violência, desde 27 de maio, morreram pelo menos 33 habitantes, 11 supostos agressores e dois elementos das forças de segurança, segundo números das autoridades e testemunhos da população à Lusa.

Povoações remotas da província de Cabo Delgado, situada a 1.500 quilómetros a norte de Maputo, têm sido saqueadas com violência por desconhecidos nos últimos noves meses.

Os grupos invadem as casas de construção precária com catanas em busca de gado, comida, dinheiro e bens de valor e têm provocado um número indeterminado de mortes, algumas com recurso a metralhadoras, além de incendiarem parte das povoações.

 A onda de ataques teve início em Mocímboa da Praia com um grupo armado que integrava alguns elementos de um grupo muçulmano que ocupava uma mesquita da vila e defendia que a lei islâmica devia sobrepor-se ao Estado de direito.

Os grupos que têm atacado as aldeias nunca fizeram nenhuma reivindicação nem deram a conhecer as suas intenções.

Os ataques acontecem numa altura em que avançam os investimentos de companhias petrolíferas em gás natural na região, mas sem que até agora tenham entrado no perímetro reservado aos empreendimentos.

Relatórios de investigadores notam que há redes criminosas internacionais ligadas ao tráfico de heroína, marfim, rubis e madeira que estão presentes há vários anos na província de Cabo Delgado e sugerem que a onda de violência esteja ligada a essas redes.

As autoridades têm anunciado centenas de detenções e referem que os supostos agressores estão fragilizados, mas sem qualquer esclarecimento adicional sobre as razões da onda de violência.

 Os ataques têm provocado vagas de centenas de deslocados internos que procuram refúgio nas sedes de distrito mais próximas (Palma, Mocímboa da Praia, Macomia, ilha do Ibo e Quissanga).

 Por:LUSA

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *