Fome mata 55 elefantes no maior parque do Zimbábwe

Pelo menos 55 elefantes morreram de fome nos últimos dois meses no maior parque nacional do Zimbabwe, enquanto uma séria seca força os animais a se desviarem das comunidades próximas em busca de comida e água, disseram autoridades na segunda-feira.

“O problema é real, a situação é terrível”, disse o porta-voz da Autoridade de Parques Nacionais e Vida Selvagem, Tinashe Farawo. Outros animais, como leões no Parque Nacional de Hwange, foram afectados.

Esta é a pior seca em anos no país da África Austral que também sofre com o colapso da economia. Resultou em escassez maciça de alimentos e água.

À medida que os animais se afastam dos parques de vida selvagem do Zimbabwe, eles destroem as culturas e às vezes matam pessoas, disse Farawo, acrescentando que mais de 20 pessoas foram mortas apenas este ano.

A superlotação em Hwange contribui para a destruição da vegetação. O parque pode lidar com 15.000 elefantes, mas actualmente tem cerca de 53.000, disse Farawo.

Enquanto isso, a seca está secando as fontes de água. A agência de vida selvagem tem perfurado poços a uma profundidade de 400 metros para encontrar água para os animais.

“A maior ameaça aos nossos animais agora é a perda de habitat”, disse Farawo. “Conseguimos reduzir significativamente a caça furtiva … perdemos centenas de elefantes nos últimos anos, mas no ano passado perdemos apenas mais de 20 na caça furtiva”.

O Zimbabwe tem uma das maiores populações de elefantes da África, por isso, caça e exportar estes animais para aliviar a pressão sobre o seu habitat  e arrecadar o dinheiro necessário para a conservação.

O Botswana, que também tem uma grande população de elefantes, suspendeu este ano a proibição de caçar elefantes, dizendo que a medida ajudaria a reduzir o conflito entre seres humanos e animais e renderia ao país a receita necessária.

Mas outros países que fazem parte da Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Selvagens fizeram lobby com sucesso para limitar as vendas de elefantes, para desânimo de alguns países africanos que dizem estar lutando com um grande número de animais.

Fonte:Africanews

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *