Restruturação da dívida ‘oculta’ vai ao parlamento

À semelhança da inconstitucionalidade das dívidas consideradas ocultas, o debate sobre a legalidade do acordo alcançado pelo Governo com os credores já era questionado.

A garantia veio do adjunto chefe do Governo, o Primeiro-Ministro, Carlos Agostinho do Rosário.

 “Após a conclusão dessas negociações serão seguidos todos os procedimentos necessários e legalmente estabelecidos incluindo a submissão da proposta do acordo para apreciação e aprovação da Assembleia da República”, disse Agostinho do Rosário.

Magazine Independente

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *