Detido um dos recrutadores para ataques no Norte do país

O Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, anunciou hoje a detenção de um cidadão estrangeiro com negócios no Norte do país por ser um dos suspeitos de recrutar e instrumentalizar jovens para atacar aldeias na província de Cabo Delgado.

“Um dos que enganam as crianças, nós apanhámo-lo. Eu até o queria trazer aqui, hoje, mas o meu ministro diz que está detido em Nampula”, capital provincial, referiu o chefe de Estado num comício popular perante centenas de pessoas em Mueda, uma das sedes de distrito da região.

Nyusi classificou o detido e outros suspeitos como “malandros, bandidos que querem estragar o crescimento desse país, porque têm o interesse deles lá fora”, sublinhou.

O presidente moçambicano falava à população numa altura em que “continua a haver ataques a aldeias”, em que “queimam casas e matam pessoas, aqui, nesta província”, enumerando os distritos de Nangade, Palma, Mocímboa da Praia e Macomia.

“Parem com isto”, pediu, dirigindo-se aos instigadores do conflito.

Filipe Nyusi apontou a gura do homem detido – sem adiantar pormenores sobre a identidade do mesmo – como exemplo de um dos recrutadores, “que anda a carregar pessoas e crianças”, instrumentalizadas para fomentar um conflito, “enquanto ele ca lá em Nampula, a comer bem, e essas crianças a morrer, aqui”.

O chefe de Estado esboçou um retrato do instigador, descrevendo-o como alguém que “tem lojas no país dele, vende celulares, tem dinheiro” e que se instalou com uma mulher em Moçambique.

Não queremos que morra ninguém nesse país por ser enganado por outro”, acrescentou.

Filipe Nyusi contou que alguns dos jovens detidos depois de atacarem aldeias disseram não se importar se os matassem, porque iam “viver bem, lá no céu”.

Para o Presidente moçambicano, as declarações são a prova de que foram “instrumentalizados”, de tal forma que dizem ser muçulmanos, mas sem apresentarem os hábitos e costumes de quem segue o Islão.

“Dizem que são muçulmanos, mas não são”, sublinhou, acrescentando que em Moçambique sempre se viveu bem “entre cristãos e muçulmanos”. “Nunca houve problemas. Não inventem histórias”, rematou.

Grupos armados têm atacado aldeias remotas de Cabo Delgado, fazendo um número indeterminado de mortos, na ordem das dezenas, e um número ainda maior de deslocados.

A violência cresceu depois de um ataque à vila de Mocímboa da Praia, em Outubro de 2017, por um grupo baseado numa mesquita local que pregava a insurgência contra o Estado.

Lusa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *