Polícia da República de Moçambique muda de uniforme

A Polícia da República de Moçambique, PRM, vai passar a ostentar um novo uniforme a partir de 2018, em substituição do actual que vem sendo usado desde a década de 90.

O facto foi anunciado esta terça-feira pelo Comandante-geral, Bernardino Rafael, numa parada com os membros da corporação, em Cuamba, distrito do Niassa, no final da visita que efectuou a este ponto do país. O novo uniforme tem uma tonalidade azul claro.

Segundo Rafael, a troca de fardamento poderá ocorrer a 17 de Maio do próximo ano, quando a corporação celebrar 42 anos da sua criação.


Nessa altura, a PRM vai envergar o seu quinto uniforme na sua história.


Quando da sua criação, em 1975, com o nome de Corpo de Polícia de Moçambique, CPM, os homens da lei e ordem vestiam uniforme azul. Depois, quando passou a Polícia Popular de Moçambique, PPM, apresentou-se com um fardamento de cor verde e mais tarde castanho.


Ao mudar de nome e passar à Polícia da República de Moçambique, PRM, a corporação passou a trajar o uniforme cinzento, com o qual funciona até hoje. Assim, o novo fardamento que passará a envergar para o ano predomina mais a cor azul, mas com muitos enfeites.


Para Bernardino Rafael, a troca de fardamento implica, necessariamente, por parte dos agentes da PRM, a mudança de atitude. Segundo ele, os uniformes que a Polícia já envergou até aqui nunca tiveram problemas, mas o comportamento negativo de alguns colegas é que foi criando nódoas aos olhos da sociedade.


“A mudança de uniforme vai implicar a mudança de atitude. Queremos polícias íntegros e comprometidos com o trabalho. Não estamos a mudar para fugir dos termos pejorativos que a sociedade atribui a alguns comportamentos errados e menos conseguidos dos nossos agentes. O fazemos por julgar ser o momento ideal para dar um salto qualitativo, daí que os membros também terão de mudar de comportamento” – sublinhou.


O Comandante-geral da Polícia sublinhou que o agente deve preocupar-se com o garbo, tratando bem do uniforme que representa o Estado. Sendo a primeira entidade que um estrangeiro procura quando entra no território nacional, Bernardino Rafael observou que o agente da Polícia deve estar devidamente aprumado, limpo e de fácil acesso.
(RM-JN)

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *