Dois dos filhos de Jonas Savimbi, residentes em Paris, disseram à Lusa que a família vai voltar a pedir ao Governo angolano “um funeral digno“, 15 anos depois