MDM diz que Amurane foi infeliz ao acusar partido de perseguição

O MDM pretende denegrir o presidente Amurane, justamente porque não compactua com a corrupção”. Foi com estas palavras que o edil de Nampula, Mahamudo Amurane, acusou o seu partido de perseguição e calúnia. As palavras do membro da Comissão Política do MDM e presidente do Município de Nampula caíram mal dentro do núcleo duro do partido.

Após uma reunião dirigida por Daviz Simango este domingo, em Maputo, o MDM veio separar as águas. Os dizeres do também membro da Comissão Política do MDM caíram mal dentro do núcleo duro do partido. “Não temos dúvida de que a forma como o nosso colega apresentou os seus argumentos não deixou de ser infeliz, porque acusou o MDM no seu todo”, disse Silvério Ronguane, membro do MDM e deputado da Assembleia da República por este partido, que falava após uma reunião dirigida por Daviz Simango, ontem em Maputo.

Na semana antepassada, 11 funcionários do Município de Nampula, incluindo o vereador de Finanças, foram acusados de corrupção, tendo sido detidos sete deles. O edil de Nampula esteve à frente do caso, tendo facilitado informação à Justiça. O MDM concorda com o posicionamento do edil e diz até que o governo devia seguir o exemplo, e não se limitar em partilhar números. “Nós também somos contra esses membros. Aliás, o edil de Nampula fez mais, mostrou quem são e estão agora detidos preventivamente, para que a justiça possa investigar se de facto cometerem esse crime (corrupção). Enquanto no país se fala da corrupção, mas não há corruptos concretos que nos tenham apresentado, reina a impunidade, nós o MDM fomos capazes de assumir que estamos a ter alguns corruptos”, realçou Ronguane.

A reunião do MDM, havida ontem, visava discutir a preparação das próximas eleições autárquicas, previstas para o próximo ano, e gerais marcadas para 2019. Sobre esta matéria, Ronguane diz que o seu partido vê-se na necessidade de prepara-se com antecedência, de modo a fazer face aos desafios dos pleitos. “Estamos na contagem decrescente para 2018, onde teremos o primeiro embate eleitoral. E é evidente que todo o partido que quer ganhar, deve se preparar com antecedência”, disse Ronguane.

O País

Adicionar um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *