António Bauase participou na formação da Junta Militar da Renamo

António Bauase, um dos seis co-arguidos  acusados de conspiração contra a segurança do Estado, nomeadamente apoio a Junta Militar da Renamo,  participou na conferência constitutiva da auto-proclamada Junta Militar da Renamo. Ele disse há pouco ao Tribunal Judicial do Distrito de Dondo, que acompanhou através dos órgãos de informação, nomeadamente a STV e a Televisão Miramar, em Marromeu, que teria lugar um conselho constitutivo da auto-proclamada junta Militar da Renamo e que por iniciativa própria, seguiu até ao distrito de Gorongosa.

Bauase, refira-se é acusado de recrutar jovens para integrar a junta Militar da Renamo, facto que ele já negou e disse apenas que estava a recrutá-los para uma empresa de segurança privada, denominada Mambas, do empresário Sandura Ambrósio, que é apontado como financiador da Junta.

Voltando a reunião constitutiva da Junta, Bauase afirmou que  “só consegui chegar no local do congresso na tarde do dia 17 de Julho,  por dificuldades de transportes e por desconhecer  o local. Tive que pedir ajudas a outros membros até chegar no local e infelizmente foi tarde.

Quando cheguei no local a reunião já tinha terminado”.
Perguntado pelo tribunal sobre quem teria organizado a reunião, ele disse que os outros membros presentes na cerimónia contaram-lhe que foi o Major-General, Mariano Nhongo.

Bauase explicou que tudo começou logo depois do congresso da Renamo, que teve lugar em inícios de 2019, nas matas de Gorongosa,  onde Ossufo Momade foi eleito presidente deste partido.

“O nosso congresso não correu como estávamos a prever. Houve fraude no congresso a favor de Ossufo Momade e este facto deixou muitos membros descontentes, incluindo a minha pessoa. No final do congresso que culminou com a eleição de Ossofo Momade, algumas vozes decidiram que deveria haver um congresso extraordinário. Seguiram-se  depois muitas desavenças no meio do partido, como por exemplo a despromoção de delegados distritais sem nenhuma razão e o afastamento de cargos de todos os membros do nosso partido que tinham apoiado a candidatura de Momade”.

Este facto, continuou Bause, criou um mal-estar no meio do partido e a decisão de se avançar  para um outro congresso e eleição de um novo presidente ficou cada vez mais forte e quando me apercebi, pela televisão que haveria congresso avancei para lá”.

Bauase, em resposta ao tribunal, em relação as decisões tomadas na reunião, afirmou que uma das principais recomendações do “congresso” era, através dos deputados da Assembleia da República da bancada da Renamo, afastar do cargo Ossufo Momade. Ele não explicou como o processo  deveria ocorrer.

Bauase ainda esta a ser ouvido pelo tribunal. Está previsto que sejam ouvidos ainda hoje Rogério Tambo e Sandura Ambrósio.

O País

 

Leave a Reply