Manuel de Araújo diz estar a ser alvo de ameaças de morte

O autarca de Quelimane e cabeça-de-lista do partido RENAMO à governador da província da Zambézia, no centro de Moçambique, diz estar a ser alvo de ameaças de morte há mais de um ano, por indivíduos desconhecidos.

Manuel de Araújo fez saber que as intimidações acontecem desde Maio de 2018, mas ultimamente intensificaram-se depois de que foi eleito cabeça-de-lista a governador da província da Zambézia pela perdiz.

Falando a jornalistas em Nampula, Manuel de Araújo disse que na altura, ou seja em 2018, os indivíduos o desencorajavam a candidatar-se a cabeça-de-lista do principal partido da oposição, mas agora querem que ele abandone a ideia de prosseguir no desafio.

“Nós recebemos duas cartas. A primeira foi no dia 8 de Maio de 2018, que dizia que nós não devemos concorrer a posição de cabeça-de-lista da RENAMO na província da Zambézia, e as pessoas diziam que devíamos retirar a nossa candidatura. A segunda carta foi na quarta-feira e, também, foi distribuída em vários mercados da cidade de Quelimane com um conteúdo dizendo que já me tinham avisado de que não devia concorrer, mas que agora eu tenho de tomar cuidado porque ou morremos nós [os malfeitores] ou morre o senhor, portanto uma clara ameaça a minha integridade física”, disse o autarca.

Araújo entende que estas ameaças não sejam internas [do partido RENAMO], mas sim actos protagonizados por agentes ao serviço do partido FRELIMO.

Mas este assunto não ficará só, e Araújo prometeu perseguir até onde puder, até porque o caso já está nas autoridades. “Os meus assessores jurídicos estão a tomar conta deste assunto, do lado jurídico. Neste momento, não vou avançar quais são os caminhos que nós já tomamos para que atitudes como estas jamais voltem a acontecer no nosso país”.

 “Não vou vergar”

No meio de todas as ameaças, o cabeça-de-lista do principal partido da oposição em Moçambique, na província da Zambézia, entende que as ameaças surgem para lhe obrigarem a desistir da pretensão de concorrer a governador e que isso, segundo ele, já mais vai acontecer.

“Nunca verguei na minha vida e quanto mais cartas eu receber, mais firme me torno. Portanto, nós continuamos firmes e os zambezianos podem ter a certeza de que vão ter no dia 15 de Outubro uma opção, e estamos determinados a prosseguir com a nossa luta para que de facto consigamos tirar a Zambézia do buraco em que FRELIMO a colocou durante os últimos 44 anos [da independência de Moçambique] ”, apontou Manuel de Araújo.

O cabeça-de-lista da RENAMO para as eleições provinciais na Zambézia está, desde o último domingo na cidade de Nampula, uma outra autarquia, também, governada pelo seu partido. Terá se refugiado temendo a morte, cujas ameaças tem vindo a receber nos últimos dias? Questionamos a Manuel de Araújo.

“Refugiar-me? Nunca! Jamais me refugiarei! Vim cá para visitar o vice-presidente da Assembleia Autárquica da Vila de Alto Molócuè que foi violentado, espancando e lhe partiram as pernas. O senhor Txetxema está aqui no Hospital Central de Nampula em tratamento, e eu sai de Quelimane para puder prestar a minha solidariedade, mas também para prestar a minha ajuda naquilo que eu puder fazer”, respondeu o Professor Doutor e autarca do quarto mais importante centro urbano de Moçambique.

Manuel de Araújo não é o primeiro edil da RENAMO a ser ameaçado de morte. Ainda neste ano, Paulo Vahanle, autarca de Nampula, do mesmo partido, já foi, também, vítima de ameaças de mortes por desconhecidos. (Texto & Fotos:  Sitoi Lutxeque)

Fonte: Jornal IKWELI

Loading...

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *