“O maior crime da Frelimo não é a corrupção, é a destruição da Educação” em Moçambique avalia professor Adriano Nuvunga

Há poucos dias dos moçambicanos elegerem o seu 5º Presidente, um novo Parlamento e pela primeira vez Governadores provinciais o professor de Ciência Política e Administração Pública, Adriano Nuvunga, avaliou as eleições do próximo dia 15 como as “menos competitivas na negativa. A qualidade dos candidatos é baixíssima, é a mais baixa de sempre”. O também director Centro para a Democracia e Desenvolvimento declarou ao @Verdade que: “O maior crime da Frelimo não é a corrupção, é a destruição da Educação”.

Subiu para 31 pessoas as vítimas mortais a campanha para as Eleições Gerais no nosso país Adriano Nuvunga considerou que “esta é não propriamente violenta, 1999 foi uma campanha violentíssima, 2004 foi uma campanha violentíssima, Gaza sobretudo, e 2009 também, mas houve menos mortes nesse tempo”.

“Mas uma coisa que houve também nesse tempo é que a imprensa estava muito mais activa e era muito mais independente. A imprensa hoje não está independente. A imprensa, as televisões cobrem dentro de uma estrutura propagandística. Na primeira eleição só havia TVM mas o Savana teve um papel histórico, o Metical teve um papel histórico, nessa altura lia-se jornais mas agora é tudo fast-food das televisões, e todas as televisões estão manipuladas, todas elas com a excepção da RTP. Esse é o figurino neste momento, há muita coisa que ocorre que a imprensa não mostra. Os helicópteros de Nyusi ninguém mostra, ninguém vai mostrar mas os próprios jornalistas andam lá dentro, mas não mostram. A real logística não é mostrada, em termos de liberdade de imprensa estamos piores”, avaliou o académico.

Nuvunga, que é professor do Departamento de Ciência Política e Administração Pública da Universidade Eduardo Mondlane (UEM), afirmou ao @Verdade que o pleito que se avizinha será o “menos competitivas na negativa. A qualidade dos candidatos é baixíssima, é a mais baixa de sempre. A qualidade do debate político em moçambicana teve que ser rebaixado para se encaixar ao nível da qualidade dos candidatos que nós temos, são eleições competitivas em baixa não na alta onde já estivemos”.

“Para as Legislativas temos os candidatos piores candidatos de sempre, os próximos parlamentares, comparado com os antigos membros do Parlamento, teremos menos qualidade olhando para os candidatos. Em termos de Assembleias províncias é mesma coisa, agora temos um elemento que são os governadores provinciais que um e outro candidato como o Manuel de Araújo, o Júlio Parruque fez um trabalho em Cabo Delgado, como jovem, conseguiu comunicar-se relativamente bem com a população, mas depois não se encontra mais nada”, argumentou Adriano Nuvunga que caracterizou “Os outros todos candidatos da Frelimo são funcionários públicos”.

“O problema é que tanto a Frelimo, a Renamo e o MDM são partidos estruturalmente corruptos”

Questionado pelo @Verdade como é possível a qualidade dos candidatos ser “baixa” tendo em conta que nunca houve tantos moçambicanos a estudar e milhares deles com cursos superiores o professor da UEM declarou: “O maior crime que a Frelimo fez foi destruir a Educação no nosso país. O maior crime da Frelimo não é a corrupção, é a destruição da Educação. Hoje estamos a falar de dívidas ocultas , o custo económico e social das dívidas ilegais e da corrupção tudo junto é pequeno comparado com o custo da destruição da Educação no nosso país”.

“Veja a destruição da Universidade Pedagógica (UP), o Presidente Nyusi destruiu a UP por argumentos sem qualidade. A UP estava-se a organizar-se a fazer coisas de qualidade, eu sou da UEM mas a UP era melhor que a UEM. A UEM tem o estatuto da maior, a mais antiga universidade mas parou no tempo. A UP deu avanços significativos, eu fui convidado para algumas unidades, antes da destruição da UP, a qualidade de infra-estrtuturas que a UP tinha nas províncias é de altíssima qualidade, o Reitor Uthui fê-las com receitas próprias, a UEM não faz isso, parou no tempo. Aquilo que é a qualidade do ensino dentro da UEM baixou incrivelmente, eu trabalho lá”, explicou Nuvunga.

O director Centro para a Democracia e Desenvolvimento não tem dúvidas: “A baixa qualidade dos candidatos deve-se Educação, tem muitos candidatos com nível de mestrado que não sabem ler nem escrever, muitos deputados desta Assembleia da República não sabem nada, tinham dificuldades de ler documentos, estão ali porque foram encaixados, o incentivo é ser encaixado para fixar um salário.”

Na óptica de Adriano Nuvunga: “O problema é que tanto a Frelimo, a Renamo e o MDM são partidos estruturalmente corruptos e desfasados daquilo que é o projecto de desenvolvimento, voltaram para dentro para atender as agendas de estômago de grupos lá dentro”.

“É por isso que na Frelimo agora se elegem os piores, e tem que ficar calado porque a política aqui também é um pouco assassina. Os piores são aqueles que tem conexões, são afilhados, não tem que ver com um projecto nacional de desenvolvimento”, justificou o académico acrescentando “os outros dois partidos idem”, em alusão a Renamo e ao MDM.

@VERDADE

Loading...

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *