Mambas destilam veneno mortal sobre Maurícias (1 – 0)

A selecção nacional de futebol está em vantagem na eliminatória de acesso a fase de grupos de qualificação ao mundial do Qatar, em 2022, após vencer as Maurícias por uma bola sem resposta, em partida da primeira mão, realizada esta quarta-feira, no Estádio Anjalay, em Porto Luís, capital mauriciana. Telinho, aos 8 minutos, foi autor do único golo.

Luís Goncalves estreia com pé direito no comando técnico da selecção nacional, ao conquistar a sua primeira vitória, enquanto seleccionador nacional. Aliás, Gonçalves já havia estado em Porto Luís, quando os Mambas perderam por 1-0 e levava consigo a mágoa da derrota de 2015, sendo por isso que tenha optado por uma equipa tão ofensiva quanto defensiva, mesmo para evitar constrangimentos e surpresas.

Só para dar um exemplo, Luís Gonçalves entrou com Franque na baliza, preterindo Guirrugo e Victor, que eram considerados os mais próximos de assumir a baliza nacional. Surpreendeu ainda na defesa, ao deixar Edmilson no banco e a colocar Sidique em jogo, que fazia parelha com Zainadine Jr., Mexer e Reinildo. Na zona intermediária outra surpresa: a entrada de Kito, a fazer dupla com Kambala, dois jogadores que nunca antes tinham actuado juntos, para além de Telinho e Witi nas extremidade, que alimentavam a dupla de ataque composta por Clésio e Reginaldo.

No banco havia um luxo de jogadores insuspeitos em ficar como suplentes, casos de Ratifo, Luís Miquissone, Maninho ou mesmo Geraldo. Kamo Kamo e Geny Catamo até se justificava o banco, uma vez que chegaram na noite de terça-feira e nem realizaram o único treino realizado em Porto Luís.

Entrada vitoriosa

Os Mambas entraram a todo gás, tal como se exige a uma equipa que joga fora de portas e quer surpreender o seu adversário, para depois gerir o melhor resultado alcançado. E num momento de inspiração foi Telinho, de fora da área, a desferir um canhão que só foi parado pelas redes do guarda-redes mauriciano. Estava em frente os Mambas, não só no resultado, mas também no jogo.

Mau grado porque depois dos 15 minutos as Maurícias acordaram do sono e começaram a encurralar os Mambas no seu sector defensivo e a criar alguns dessabores junto à baliza de Franque. Mas ainda assim os jogadores se aguentaram e levaram a vantagem ao intervalo, embora com Kambala, na parte final a perder duas bolas em locais proibidos, concorrendo já a uma substituição.

Aguentar-se na segunda parte

Cauteloso, Luís Gonçalves não quis entrar em delírios e voltou com o mesmo onze da primeira parte, que jogava muito pela zona central, onde Kambala já estava bem melhor e, com ajuda de Telinho e Witi ainda conseguiam parar as investidas adversárias. Desta vez o sector defensivo não vacilava e nem claudicava! Zaina e Mexer entendiam-se a contento, jogando bonito e sem pressão, o que facilitava cortes sempre seguros. Sidique e Reinildo procuravam jogar simples e por isso nem se faziam perceber em campo.

Numa das acções ofensivas dos Mambas, Witi ainda introduziu a bola na baliza das Maurícias, mas o auxiliar levantou a bandeirola, sinalizando o fora-de-jogo. Reginaldo também tentou de longe um canhão, mas desta vez o guarda-redes estava atento e socou para canto. Pela força do remate ainda teve que ser assistido.

Do outro lado Franque quase “metia água” num cruzamento em que sai aos papéis e podia ter sido melhor aproveitado, mas Zainadine estava lá a safar o guarda-redes do Ferroviário de Maputo. Antes, os mauricianos haviam enviado a bola ao poste direito da baliza de Franque.Minuto 92 quase que…

Nos instantes finais os corações dos moçambicanos que escutavam o relato através da Rádio Moçambique quase paravam quando o sinal caiu e nada mais se ouvia, numa altura em que os mauricianos tinham um livre por cobra. Os que assistiam pelas redes sociais disponibilizadas só respiraram mesmo de alívio quando o livre mereceu a melhor atenção da defensiva moçambicana.
E foi mesmo um alívio porque o árbitro deu por terminada a partida com a vitória dos Mambas, no terreno das Maurícias.

Mas facto curioso é que o Papa chegou a Moçambique no dia em que os Mambas venceram as Maurícias, mas no dia do jogo da segunda mão, em Maputo, a 10 de Setembro próximo, o Papa estará nas Maurícias.

O País

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *