Presidente eleito Donald Trump e seus assessores disseram que as informações eram falsas. Autoridades russas também negaram. Christopher Steele, que escreveu relatórios sobre suposto material comprometedor que agentes