O presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema, defendeu este domingo que o seu filho e vice-presidente, condenado em França por lavagem de dinheiro, tem legitimidade para continuar