Os deputados ao parlamento angolano voltaram atrás na decisão de criminalização total do aborto, aprovada em Março, e a nova proposta do Código Penal, com votação global na