“Ericino de Salema recebe aviso ‘amigável’ para se estar no seu canto”

Rapto de Ericino Salema “é totalmente catastrófico”, académico José Mucuane

Mucuane, que, em 2016, foi também vítima de violência de desconhecidos, diz que a imagem do país, que enfrenta uma grave crise financeira, será novamente beliscada.

O académico moçambicano José Mucuane diz que o rapto do jornalista Ericino Salema é “ totalmente catastrófico,” tendo em conta que ”nos últimos três anos o país tem um histórico de deterioração de direitos humanos”.

Mucuane, que, em 2016, foi também vítima de violência de desconhecidos, diz que a imagem do país, que enfrenta uma grave crise financeira, será novamente beliscada.

Infelizmente parece não haver nenhum esforço sério para a gente sair desta crise. E quando parece haver avanços para a paz, voltamos a ver este tipo de ataques”, diz o académico.

É extremamente desolador viver num país onde podemos ser vítimas da violência por exercer os nossos direitos”, desabafa.

Aliás, diz Mucuane, “é típico de regimes autoritários, pseudodemocráticos, criar limites sobre o que se pode dizer”.

Salema foi raptado e abandonado inconsciente ontem, 27, em Maputo, por indivíduos desconhecidos. A polícia confirmou o incidente e promete seguir o caso.

Nyusi não aborda os direitos humanos com seriedade

Tenho sérias dúvidas que vá ser esclarecido. Só para se ter uma ideia, no meu caso já passam quase dois anos e não ouvi mais nada,” diz Mucuane.

Este analista lamenta o facto de “nos últimos três anos não ter ouvido um pronunciamento muito forte do chefe de Estado em relação à violação dos direitos humanos (…) e o que tem dito é superficial”.

Mucuane sublinha que, tendo o governo moçambicano “um gravíssimo histórico de violação de direitos humanos, é estranho o chefe de Estado não levar (a questão) a sério”.

VOA

 

Add a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *