Derrota da Frelimo: Carta aberta ao Presidente Filipe Nyusi (15)

0
40
Derrota da Frelimo: Carta aberta ao Presidente Filipe Nyusi (15)

Presidente: esta é a décima quinta carta que lhe escrevo. A minha insistência deve-se ao facto de nunca ter visto satisfeitos os meus anseios, aliás, as do povo no geral. Elegi hoje escrever-lhe sobre a justiça que o nosso país não tem. Falar de justiça, em Moçambique, é falar do vazio. E não se esqueça, Presidente, que um país sem justiça é um país sem tudo.

Se chego até ao extremo de me dirigir ao alto magistrado da nação é porque esgotei todas as minhas tentativas de chamar à razão a Procuradoria-Geral da República (PGR). Presidente, o senhor já fez mais do que metade do seu mandato e aquilo que nos prometeu fica por isso mesmo. Que orgulho tem o Presidente de dirigir um país onde a injustiça é omnipresente?

Que orgulho tem o Presidente de ter uma Procuradoria-Geral da República que nunca resolveu as injustiças pelo que o povo passa? Ou seja, se a PGR segue um processo até as últimas consequências é porque está relacionado com um pilha-galinhas, um Zé ninguém….a vítima é sistematicamente a mesma: o povo.

Que explicações a PGR deu até aqui sobre o assassinato do edil de Nampula, Mahamudo Amurane? Peguei este exemplo porque não adianta recuarmos para os assassinatos de Giles Cistac, Paulo Machava, Jeremias Pondeca e tantos outros abatidos como cães à luz do dia e na cidade capital.

Duvido muito que a PGR não conhece os assassinos. Aliás, mais do que uma vez a PGR provou que ela é que comanda os esquadrões da morte. O que dizer quando é a própria PGR que mandou retirar das celas do Comando José Ali Coutinho e Alfredo Muchanga para serem abatidos como cães? Aliás, a PGR até foi a primeira e a única a emitir um comunicado falacioso de que foram resgatados pelos seus comparsas. Donde é que tirou essa conclusão? Que investigação fez? Tudo isto era para tirar areia aos olhos do povo. Era para proteger os assassinos que comanda, apelidados de esquadrões de morte.

Presidente: o senhor não se questiona o facto de até aqui a PGR não ter solucionado nenhum crime? O que o Presidente julga que o povo pensa ao constatar que a PGR não quer, por nada, responsabilizar os autores das dívidas ocultas? O Presidente já falou sobre este assunto abertamente com o seu patrão, o povo, para saber o que pensa?

Presidente: o povo não é burro. Pode estar a ser imbecilizado mas não é lerdo. O povo sabe que se o Presidente ordenar, o processo sobre as dívidas ocultas pode ser esclarecido. Esse discurso de que o poder Judicial é independente é para boi dormir. Em Moçambique o poder Executivo sobrepõe-se aos demais. O Presidente é que manda. Se não fosse assim, até não teríamos tido esse problema do rombo de dois biliões de dólares que arrastou o país para a miséria.

O povo, em surdina, condena-lhe, senhor Presidente. O povo acha que o senhor não quer que o processo sobre as dívidas ocultas seja esclarecido porque também está implicado. E, analisando o que até aqui se produziu, o povo tem razão. Este processo está encalhado porque a Frelimo não quer que avance. E quem é o presidente da Frelimo?

Se o senhor Presidente quer ver o assunto esclarecido, então exija isso da PGR. Obrigue-a a trabalhar. Ou então demita todos em bloco. Desde Beatriz Buchili até aos Procuradores-adjuntos. Estão a receber salários chorudos sem trabalhar. Demita-os. Refresque as fileiras. O povo, o seu patrão, verá, enfim, que o seu empregado está realmente a trabalhar.

O que até aqui tem acontecido é que o empregado despreza as ordens do seu patrão. Aliás, nem são ordem. É o choramingar do patrão enquanto o empregado lambuza-se com os que delapidaram a pátria. Que empregado é esse que é inamovível?

Que empregado é esse que não respeita as regras contratuais? Quer ou não trabalhar? Esqueceu que são muitos que concorrem para o mesmo cargo? Outros até ameaçam-nos com armas só para ter esse cargo. O empregado tem que mostrar serviço. Garantir o seu pão. E não embrulhar o seu patrão.

Senhor Presidente: faça uma visita repentina à PGR, como as que Samora Machel fazia nas suas ofensivas, e verá que a Beatriz Buchili e as suas colegas só estão lá sentadas, a pintar unhas, a pôr a fofoca em dia, a beber água mineral e café que o Estado providencia.

Não se esqueça senhor Presidente que 2019 é ano de eleições gerais. O senhor irá sentar na nossa esteira novamente, vai comer o nosso peixe seco com xima, irá nos oferecer aquelas camisetas que só com uma única lavagem não resistem, capulanas. Com que cara o senhor irá nos olhar e pedir voto depois de não ter cumprido as suas promessas? O senhor Presidente nem consegue acabar com a farra na PGR.

Queremos um país com justiça
E não com uma justiça podre.

PS. A fechar esta carta acabo de ler que a Renamo está a ganhar com uma margem de 58% nas eleições intercalares em Nampula
Senhor presidente já pensou isto se acontecer Nas eleições Presidenciais??
Uma vergonha total!!!!

Nini Satar

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here