Rosário Fernandes suspende chefe das Finanças do INE da Cidade de Maputo, Reivindicações de recenseadores levam à suspensão do gestor das finanças do censo
ECONOMIA NACIONAL

Rosário Fernandes suspende chefe das Finanças do INE da Cidade de Maputo

Reivindicações de recenseadores levam à suspensão do gestor das finanças do censo

No encontro com o grupo de grevistas que reivindicavam melhoria das condições de trabalho, Rosário Fernandes, presidente do INE, reconheceu as preocupações dos agentes de recenseamento e garantiu que os problemas estavam resolvidos.

Fizemos a verificação das reclamações apresentadas pelo grupo e, realmente, eles têm as suas razões. A Direcção de Administração e Finanças já havia descentralizado o valor, mas não foi para os destinatários. Tomámos providências e tudo está acautelado”, asseverou Rosário Fernandes, presidente do INE.

Na sequência da reivindicação, que teve o seu desfecho esta sexta-feira, foi criada uma equipa técnica ao nível da Cidade de Maputo para monitorar o processo, o que culminou com a suspensão do gestor das finanças do censo.

O documento lido na reunião de concertação entre os recenseadores e o presidente do Instituto Nacional de Estatística continha quatro pontos, nomeadamente, (i) criação de uma comissão de coordenação do processo censitário do IV Recenseamento Geral da População e Habitação a nível da Cidade de Maputo; (ii) indicação do director da DIC, Cirilo Eduardo Tembe, para a coordenação da comissão; (iii) indicação da doutora Mabjaia, directora adjunta da Administração dos Recursos Humanos do INE para adjunta chefe da comissão; e (iv) suspensão temporária do chefe do Departamento de Administração e Finanças do INE da Cidade de Maputo, doutor Luís Januário Muhate, que respondia como gestor de finanças das matérias do censo 2017.

Os agentes de recenseamento mostraram-se satisfeitos com as decisões tomadas e que foram consensuais. “Estamos felizes e agradecemos ao presidente por ter escutado as nossas reclamações e ter sanado tudo. Estamos satisfeitos”, declarou Regina Munguambe, recenseadora.

Acredito que a satisfação é de todos nós, porque o presidente trouxe-nos motivação. Estávamos a trabalhar sem motivação e sem ânimo, mas agora estamos satisfeitos e agradecemos o gesto do presidente”, acrescentou Adélia Fernandes, controladora do processo do censo.

Antes não tínhamos nada, mas, a partir de agora, teremos o valor diário para a alimentação e, no fim, teremos o remanescente acordado. Amanhã iremos retomar o trabalho e assinaremos o contrato”, referiu Maria de Lurdes, formadora.

À luz das decisões desta sexta-feira, foram redefinidas e consensualizadas as remunerações dos formadores, recenseadores e controladores, medida que colocou fim ao descontentamento dos agentes de recenseamento do distrito municipal KaMaxakeni.

O País

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *