DESPORTO

União Desportiva de Songo conquista primeira Taça de Moçambique

Foi uma noite de muita festa para a União Desportiva de Songo. É que, pela primeira vez, o nome desta equipa entra no compêndio do futebol nacional como vencedor da Taça de Moçambique.
Indo ao jogo, a equipa de Songo entrou a mandar logo no início, embora tenha perdido uma oportunidade flagrante logo aos três minutos, num lance em que o guarda-redes Guirrugo do Maxaquene defendeu o remate de Chereque.
A pressão da equipa de Artur Semedo era tão grande que os “maxacas” acabaram marcando na própria baliza, aos dez minutos, num corte defeituoso de Bernardo. Era festa nas hostes dos hidroeléctricos. E apressao continuou, sem cessar. Dois minutos depois, o imprevisível Luís Miquissone mostrou o seu valor, marcando o segundo golo da União Desportiva de Songo.
No sentido inverso, os “tricolores” não conseguiam transpor a defesa da União Desportiva de Songo, muito bem composta por Mucuapel e Mano.
Os Hidroeléctricos vinham mesmo decididos para eletrocutar os “maxacas” e, assim foi. Sem misericórdia, Kambala balançou as redes do Maxaquene pela terceira vez na noite, retirando dos adeptos “tricolores” quaisquer esperanças de conquistar um título nesta temporada.
Ainda assim, o Maxaquene reagiu, mas Luckman não teve a pontaria afinada, quando se exigiu, rematando para fora num lance em que se encontrava sozinho diante da baliza.
Na segunda parte, os papeis inverteram-se. O Maxaquene passou a dominar o jogo. E, nesse momento, Tobias mandou uma bola à trave da baliza do Songo. Depois foi Luckman que chutou para fora.
Seguiu-se outro momento em que Isac vê Swin defender o seu remate. Aos 64 minutos, o mesmo Isac introduziu a bola na baliza adversária, mas o árbitro assinalou fora de jogo.
Por fim, os “tricolores” marcaram o golo de honra aos 70 minutos por intermédio de Bernardo. Isac quase faz o segundo do Maxaquene com um desvio de cabeça, mas a bola não tomou a direcção desejada e, assim os hidroeléctricos fizeram histórias ao vencer a segunda maior prova nacional de futebol: a Taça de Moçambique Mcel. 

Para além da Taça e medalhas, o vencedor desta prova recebeu um cheque de 550 mil meticais. O finalista vencido, Maxaquene arrecadou medalhas e um cheque de 350 mil meticais.

(O País)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *